Dossiê Fazer a Fronteira

Dossiê Fazer a Fronteira


When?

Start time: Saturday 16:00 (31 March)
End time: Saturday 19:00 (31 March)

About

Traçar limites territoriais nos mapas ou demarcá-los no terreno são atos inescapavelmente intencionais e arbitrários, sendo os limites políticos interestatais o exemplo mais notório. Uma vez traçados, estes moldam corações e mentes a ponto de tornar reconhecíveis os territórios pela mera observação de suas linhas de contorno.

Como se ganhassem vida própria, os limites abstratos entre os Estados são parte constitutiva das práticas e representações das pessoas, grupos sociais e instituições que, de um lado e do outro, habitam suas adjacências. Se os limites provocam, desafiam, constrangem e condicionam o movimento das populações, estas não respondem passivamente aos efeitos desses limites, mas constroem as diferentes maneiras de habitar uma fronteira. Nesse sentido, "fazer a fronteira" ganha um significado especial, que não é o de eventualmente delimitar ou demarcar os territórios nacionais, mas o de constituir e viabilizar o espaço transitivo entre dois domínios distintos.

O termo "fazer a fronteira" coloca aqui em evidência, por um lado, o aspecto de fabricação dos limites e fronteiras internacionais, que longe de serem estabelecidos de uma vez por todas, necessitam ser atualizados, reafirmados e modificados para que os limites territoriais continuem funcionando como um dispositivo eficiente de separação. Por outro lado, chama a atenção que essa construção não é unívoca, mas sim ativada por uma diversidade de atores que habitam a fronteira e produzem as possibilidades tanto de habitá-la quanto de atravessá-la.

Nas duas últimas décadas, a América do Sul produziu histórias diversas sobre as maneiras de se "fazer a fronteira". Movimentos em direção a projetos de integração regional ocorreram simultaneamente a processos de escalada de conflitos e reforço da segurança fronteiriça. Mesmo o viés integracionista muitas vezes considerou negociações diplomáticas e fluxos transnacionais sem muito considerar a potencialidade das interações transfronteiriças locais. Ao mesmo tempo, as novas modalidades de segurança fronteiriça trouxeram à tona a cooperação binacional e regional como estratégia de proteção dos Estados nacionais.
Diante desses desafios que escapam às interpretações e soluções mais óbvias, "fazer a fronteira" prossegue como uma questão fundamental para a compreensão das dinâmicas sócio espaciais que emergem a partir das margens e muitas vezes antecipam tendências que se verificam no conjunto do território e em seus centros.

Convidamos pesquisadores a enviarem artigos para o dossiê temático Fazer a Fronteira até 31 de março de 2018. Os artigos selecionados e aprovados na avaliação cega por pares serão publicados na Revista Franco-Brasileira de Geografia Confins. Os trabalhos devem ter até 30.000 caracteres com espaço e ilustrações e devem ser enviados para dossieretis@gmail.com. Demais normas para formatação dos trabalhos estão disponíveis em https://confins.revues.org/35.